PROCESSOS DE DERIVAÇÃO DE NOMES PRÓPRIOS EM TEXTOS ESCRITOS

Eduardo Tadeu Roque Amaral, Cristina Dulce Souza Costa

 

Resumo

 

Neste trabalho, analisamos um corpus de derivados de antropônimos do português e do espanhol (chamados de deantroponímicos), na linha de estudos como os de Cabré et al. (2000), Monjour (2002), Rainer (1999; 2007; 2009), Schweickard (1992). Os dados foram coletados em textos publicados em 2010 nas seções relacionadas a Política e Espetáculos dos seguintes veículos: Folha de São Paulo (Brasil), La Nación (Argentina), La Nación (Paraguai), El País (Uruguai), El Universal (Venezuela). Buscamos responder a questões como: quais são os sufixos mais frequentes para a formação de deantroponímicos em textos da imprensa contemporânea? Considerando os sufixos que favorecem a formação de deantroponímicos, quais são as propriedades linguísticas dos derivados? A hipótese inicial é que, embora os resultados das duas línguas coincidam em muitos pontos, há divergências que podem ser observadas ou pelo menos sugeridas a partir da observação dos textos da imprensa de países em que se falam esses idiomas. A análise mostra que os sufixos mais frequentes para a formação de derivados no corpus são -ista, -iano e -ismo, com preferência para os dois primeiros. Constatamos que -ista pode ser considerado o sufixo por excelência para os atuais nomes de políticos tanto em português quanto em espanhol. Observamos também que a derivação sufixal de antropônimos produz preferencialmente adjetivos.

 

Palavras chave

 

Nomes próprios, sufixos, deonomástica.

 

  • Lee el artículo completo AQUÍ.

 

'PROCESSOS DE DERIVAÇÃO DE NOMES PRÓPRIOS EM TEXTOS ESCRITOS' has no comments

Be the first to comment this post!

Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published.

css.php
Need help with the Commons? Visit our
help page
Send us a message
Skip to toolbar